segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Depressão na juventude


A depressão afeta em torno de 15% da população mundial e leva, anualmente, a 800 mil casos de suicídio. Recentemente, a Organização Mundial da Saúde classificou a depressão como uma das doenças que mais causam incapacidade. É a 4ª numa lista de 5. Até 2020 terá ocupado o 2º posto.

Um estudo realizado no centro médico da Universidade Columbia, nos EUA, revelou que a depressão se intensifica de uma geração para a outra. De acordo com a equipe, cerca de 60% das crianças cujos pais e avós sofreram de depressão têm transtorno psiquiátrico antes da adolescência. O número é mais do que o dobro de casos (28%) observados em famílias sem histórico. Mas, a genética é predispositiva, não decisiva.

Entre os jovens é cada vez mais crescente o número de afetados. A juventude é a grande fase de descobertas, de experimentação de novos sentimentos e sensações. É o período onde as certezas são ameaçadas. O chão, outrora alicerçado pelos pais, aos poucos, passa a desvanecer-se sob seus pés, exigindo que ele, agora, construa seu próprio caminho.

Diante deste quadro, podem surgir então diversos comportamentos entre eles o comportamento suicida, que, por sua vez, pode ser dividido em gestos e tentativas suicidas. A depressão é, certamente, o diagnóstico psiquiátrico mais observado em adolescentes que tentam o suicídio. Desesperança, transtornos de conduta, consumo de drogas, disfunção familiar, eventos estressantes, abusos (físicos, sexuais ou psicológicos) e fatores biológicos podem ser considerados  os principais agentes causadores deste distúrbio.

Dentro dos ambientes religiosos costuma-se pensar que não existem depressivos, pois contraria a idéia de que Deus e depressão não podem habitar o mesmo indivíduo. Assim em vez dos clássicos sintomas, o que vemos nas igrejas e templos é euforia como garantia de felicidade. Desta forma a pergunta que temos que fazer não é simplesmente pelo quadro clínico, mas de fato pela verdade da alma.

Por falta de conhecimento e de diversos tabus e preconceitos os quadros depressivos dentro das igrejas só aumentam.

Há casos de depressão psicológica, depressão causada por deficiências químicas, casos agravados pelo medo de que seja algo espiritual.

O que se precisa entender é que é possível ser de Deus e experimentar depressão. A bíblia está cheia destes exemplos.

Em ambientes onde a humanidade como ela é em sua complexidade é negada as pessoa sentem-se ainda pior. Ou o ambiente ou esse indivíduo precisa mudar de ambiente para o bem de sua alma.

Infelizmente muito do que se ensina nestes ambientes religiosos são mais adoecedores do que boas-novas.
Assim meu conselho aos que já vivem nessa condição é que procurem mudar de ambiente. O lugar para alma é onde ela possa de fato se manifestar sem os medos decorrentes das doutrinas que amedrontam o ser. Para os que querem evitar tal condição ou mudem o ambiente e na impossibilidade mudem de ambiente. E para os casos já instalados não dispensar ajuda profissional.

8 de janeiro de 2011

Nenhum comentário: